Publicidade
Novo cenário
“Dívida trabalhista está solucionada”, diz Fernando Suassuna, presidente do ABC
Em entrevista a rádio 97,9 FM, mandatário alvinegro revelou ter conseguido, de maneira inimaginável, solucionar o problema do ABC na Justiça do Trabalho; montante devido pelo clube já chegava a quase R$ 12 milhões
José Aldenir / Agora RN
Fernando Suassuna, presidente do ABC

Alienação de terreno, empréstimo bancário, pagamento de juros altos a instituições financeiras. Essas três situações estiveram na pauta da diretoria do ABC para resolver um problema que estava tomando proporções gigantescas no clube de Ponta Negra: as dívidas trabalhistas. Com diversas ações na Justiça, o montante devido pelo Alvinegro já beirava os R$ 12 milhões, mas agora tudo não passa de caso solucionado.

Pelo menos foi isso o que garantiu o presidente do ABC, Fernando Suassuna, em entrevista concedida ao jornalista Roberto Guedes no programa “Agora em Debate”, da rádio 97,9 FM, na última sexta-feira, 29. Depois de muita dor de cabeça, o clube finalmente conseguiu controlar seus débitos na Justiça do Trabalho e o mecanismo utilizado foi o mais simples de todos, considerado até inimaginável dada a dimensão do problema: a negociação direta com os credores.

Segundo Suassuna, que completou recentemente 100 dias de gestão no ABC, a dívida foi parcelada após acordo com os advogados dos credores em 48 vezes, sem a cobrança de juros e apenas com uma “correção insignificante”, nas palavras do mandatário. A alternativa, encarada pela direção como “Plano C”, gerou uma grande economia aos cofres do clube, que antes alinhava um empréstimo bancário para dar início ao pagamento das ações, ao mesmo tempo em que preparava a alienação do terreno de 6 hectares.

“A nossa ideia inicial era promover um leilão com o terreno de 6 mil m² anexo ao Frasqueirão. Para ganhar tempo, recorremos a um banco privado pleiteando empréstimo de R$ 5 milhões. (A ideia) era se segurar com esse dinheiro enquanto aprontávamos o processo do leilão. De início, o banco deu resposta favorável, mas houve demora na tramitação e perdemos a paciência. Fomos negociar direto com os credores”, explicou Suassuna, cujo mandato no ABC vai até o final de 2020.

Fernando Suassuna concedeu entrevista à rádio 97,9 FM na última sexta-feira, 29. (Foto: José Aldenir / Agora RN)

Ainda de acordo com o presidente, a negociação direta foi rápida e bem sucedida. “(Ao todo) são 3 advogados (representantes dos atletas). Só um tem 42% dos casos. Fomos direto nele para negociar e, para nossa surpresa, houve resposta positiva. Oferecemos pagar o valor em 48 vezes e a proposta foi aceita. A moral da história é essa: com o dinheiro do banco, a gente ia pagar 50% da dívida. Agora, sem o empréstimo mas com o mesmo valor, vamos quitar 80% com parcelas iguais e sem juros”, celebrou Suassuna.

Diante de todo o cenário, que antes era de incerteza e agora está devidamente “costurado”, o ABC vem conseguindo recuperar a credibilidade no mercado. Hoje, segundo o presidente, o clube já tem linhas de crédito imediato em alguns bancos e goza de prestígio com os atletas, que agora manifestam o desejo de vestir a camisa alvinegra dada a garantia de receber os salários em dia, algo bem difícil no futebol brasileiro atual.

“Alcançamos os 100 primeiros dias de gestão pagando rigorosamente em dia. Não temos mais débitos trabalhistas e não recebemos reclamações financeiras desde agosto do ano passado. Já vi advogado diante de juiz dizer que confia na nossa gestão e isso é gratificante para mim. Os credores vão finalmente poder usufruir daquilo que merecem. O ABC conseguiu resgatar sua credibilidade e, hoje, a dívida trabalhista é um caso resolvido. Vamos honrar o compromisso que assumimos até o final”, concluiu o presidente.

Publicidade
Publicidade