Educação
RN registra queda de 22% no número de inscrições no Enem 2018
Ministério da Educação aponta que 124 mil farão as provas de 2018; exame deixou de ser obrigatório para quem busca diploma do ensino médio
EBC / Reprodução
Quase 60% das inscrições para o Enem 2018 no RN foram feitas por mulheres

O Rio Grande do Norte tem 124.047 inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018. O número é 22% menor que no ano passado, segundo dados do Ministério da Educação (MEC). Em 2017, 159 mil pessoas se inscreveram para as provas.

A maior parte dos inscritos no território potiguar é do sexo feminino, com um total de 70.876 candidatas (57,1%). Os homens somam 53.171 dos postulantes (42,9%).

Segundo José Everaldo Pereira, coordenador de Acesso ao Enem do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), uma das razões para a redução de inscritos é que o exame deixou de ser obrigatório para quem buscava o diploma do ensino médio. “Houve também a questão da isenção no pagamento da prova, já que o período para solicitação ocorreu no início do ano, o que fez com que algumas pessoas perdessem a matrícula”, relatou.

De acordo com o MEC, a faixa etária mais representativa, com 35,2%, é a dos participantes que têm de 21 a 30 anos (43.724). De 31 a 59 anos (19.988) corresponde a 16,1%. De 18 anos (16.640), totalizam 13,4%.

Ainda segundo os números, a maioria dos inscritos, 84.943, já concluiu o ensino médio. Outros 26.854 estão cursando a última série desse ciclo em 2018.

Os chamados “treineiros”, participantes que fazem o Enem para autoavaliação, geralmente alunos do primeiro e segundo de ensino médio, são 11.143 dos inscritos. E 1.107 não estão cursando e não concluíram o ensino médio.

Segundo o MEC, estes participantes “treineiros” terão acesso às notas 60 dias depois que o resultado for liberado para os demais candidatos. De acordo com José Everaldo Pereira, a medida também teve impacto na redução dos inscritos.

“Boa parte dos que perdiam as provas pertence a este público. O Enem é um investimento tão alto, com diversos profissionais voltados para as provas, mas se registrou cerca de 40% de faltosos no Rio Grande do Norte, sendo que boa parte das faltas é desta parcela de pessoas que iam apenas para treinar”, finaliza.