domingo,
Discussões
Racismo e Direitos Humanos são temas de filme e debates em faculdade de Natal
Programação acontece este sábado 20 na Estácio Alexandrino, pela manhã e tarde, com os projetos Direito ao Cinema e Sociedade de Debates
Divulgação
Estácio, em Natal

A faculdade Estácio Alexandrino promove neste sábado (20) dois projetos que incentivam o debate de temas sociais no âmbito jurídico. No projeto Direito ao Cinema, às 9h, haverá a exibição do documentário “A 13º Emenda”, que instiga a discussão sobre a criminalização dos negros nos EUA. No período da tarde, às 14h, será realizado um debate-treino pela Sociedade de Debates da Estácio com o tema “Adoção de crianças por casais homoafetivos”. Nesta atividade, os participantes serão divididos entre defesa e oposição, e deverão argumentar em favor de seu posicionamento (fictício).

Segundo o professor do curso de Direito da Estácio, Luis Felipe Pinheiro Neto, estas duas atividades visam estimular entre os estudantes uma série de habilidades, além do conhecimento da doutrina específica do Direito e da jurisprudência. “Nestes debates os alunos poderão aplicar suas habilidades textuais e argumentativas, bem como postura profissional, apresentando uma linguagem técnica e estratégias para cativar o público com princípios básicos da oratória”, explica.

Sobre o documentário 13º emenda, dirigido pela americana Ava DuVernay, ele é uma visão intensa sobre como o sistema presidiário dos dias de hoje tem elos com a escravidão. O filme escancara como a escravidão germinou um sistema de criminalização e prisão dos negros nos Estados Unidos da América (EUA). Após a exibição, haverá uma roda de conversa com o professor, advogado e mestre em Direito Constitucional, Pedro Lucas de Moura Soares, que irá tratar das questões levantadas pelo documentário envolvendo direitos humanos e racismo.

A participação nos projetos é aberta ao público e oferece certificado para alunos de outras instituições. A Estácio Alexandrino fica localizada na Av. Alexandrino de Alencar, 708, bairro Alecrim. Para mais informações, ligar para o telefone: 3198-1637.