Leitura
Semec de Parnamirim faz a escolha definitiva do acervo literário para 2019
Escolas, através de seus gestores e coordenadores puderam fazer a intersecção com suas escolhas, modificando, acrescentando ou retirando títulos escolhidos
Assessoria de Imprensa
Reunidos, os técnicos da educação investigaram a qualidade e o conteúdo das obras sugeridas pelo MEC

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) reuniu na última segunda-feira, 8, gestores escolares e coordenadores pedagógicos na Faculdade Maurício de Nassau, em Parnamirim, para a decisão definitiva sobre a escolha dos livros literários que serão distribuídos na escola pública em 2019, por meio do Programa Nacional do Livro e do Material Didático – PNLD.

A responsabilidade é grande. E, para lidar com ela, a equipe do projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” uniu-se a técnicos da Semec e a mediadores de leitura da Educação Infantil e do Fundamental l, para um um trabalho colaborativo nesta triagem em um trabalho que se computou muitas horas.

De acordo com o Coordenador Pedagógico da Semec, Júlio Araújo, que orientou este processo, trata-se de um momento muito especial, já que é a primeira vez que as escolas brasileiras poderão selecionar as obras literárias que usarão durante o ano letivo de 2019.

Reunidos, os técnicos da educação investigaram a qualidade e o conteúdo das obras sugeridas pelo MEC. Para tanto, saíram apurando informações, lendo e analisando as obras integralmente, se informando, inclusive, do que a crítica dizia sobre tais literaturas e fazendo a classificação por gêneros, alternando editoras e escritores. Tudo isso considerando a qualidade textual e estética das obras.

Na segunda-feira, 8, as escolas, através de seus gestores e coordenadores puderam fazer a intersecção com suas escolhas, modificando, acrescentando ou retirando títulos escolhidos, dentre os mais de setecentos disponibilizados.

“Certamente esta renovação de acervo poderá dar à literatura um espaço maior em nossas instituições escolares e nas vidas de quem ensinamos: o tal do mergulho no que em nós é mais humano”, encerrou Angélica Vitalino, ténica do Rio de Leitura.