quinta,
Contrato
Petrobrás fecha novo financiamento de US$ 5 bi com banco chinês
Endividamento líquido da Petrobrás somou R$ 279,2 bilhões ao final do terceiro trimestre, quando a empresa apontou aumento do prazo médio de pagamento
Fabio Motta/Estadão
Petrobrás informou que assinou um contrato de financiamento de US$ 5 bilhões com o China Development Bank

A Petrobrás informou nesta terça-feira, 5, que assinou um contrato de financiamento de US$ 5 bilhões com o China Development Bank (CDB), com vencimento em 2027, ao mesmo tempo em que anunciou pré-pagamento do saldo devedor de US$ 2,8 bilhões de um empréstimo contratado com o banco em 2009.

A operação faz parte do plano da empresa de melhorar o perfil de sua dívida no mercado, a maior dívida entre as petroleiras no mundo. O endividamento líquido da Petrobrás somou R$ 279,2 bilhões ao final do terceiro trimestre, quando a empresa apontou aumento do prazo médio de pagamento.

A Petrobrás prevê captações de US$ 22 bilhões e pagamentos de amortizações de US$ 31 bilhões em 2017, de acordo com estimativa revisada em meados do mês passado.

As transações visam trazer conforto financeiro para a empresa em 2018, quando provavelmente haverá mais volatilidade nos mercados devido às eleições para presidente, governadores, deputados e senadores no Brasil.

Lava Jato

O acordo com o banco chinês CDB foi celebrado na segunda-feira, 4, no mesmo dia em que o Ministério Público Federal do Paraná comunicou que vai devolver R$ 600 milhões para a Petrobrás, recuperados no âmbito da Operação Lava Jato.

“Será a maior quantia já devolvida em uma investigação criminal no País”, informou a Procuradoria.

O repasse será feito na quinta-feira, 7, diretamente à Petrobrás durante evento com o presidente, Pedro Parente, em Curitiba – base e origem da Lava Jato.

Será a quarta devolução de recursos recuperados pela operação à Petrobrás. A primeira devolução ocorreu no dia 11 de maio de 2015, quando retornaram à estatal R$ 157 milhões recuperados por meio de acordo de colaboração celebrado com o ex-gerente da área de Serviços Pedro Barusco.

A segunda entrega de valores à Petrobrás foi realizada em 31 de julho de 2015, quando voltaram aos cofres da estatal R$ 139 milhões. Já em novembro de 2016, o MPF no Paraná comunicou a restituição de R$ 204,2 milhões em recursos desviados, recuperados pela Lava Jato.