Publicidade
Possibilidade
Novaes diz que redução de número de agências do BB será avaliada
Novo presidente confirmou que o fechamento de agências deficitárias será avaliado, mas não respondeu se haverá um novo programa de demissão voluntária
José Aldenir / Agora RN
Fachada do Banco do Brasil no bairro do Alecrim

O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, disse que ainda irá analisar os estudos feitos por consultorias contratadas pela instituição para decidir onde há a necessidade de enxugar custos. Ele confirmou que o fechamento de agências deficitárias será avaliado, mas não respondeu se haverá um novo programa de demissão voluntária (PDV) no banco.

“Vou examinar os estudos e ver o que faz sentido. O enxugamento de despesas é o objetivo de qualquer gestor, desde que não prejudique o funcionamento do banco”, afirmou.

Para Novaes, é preciso ter muito cuidado quando se fala no fechamento de agências. Segundo ele, é preciso analisar quais são deficitárias e quais têm potencial para deixar de ser. “O BB sempre teve um papel importante na interiorização do desenvolvimento. Por isso é preciso ser cuidadoso ao abordar o fechamento de agências. Por outro lado, o mundo digital de hoje exige uma menor bancarização por meio de agências físicas”, avaliou.

O novo presidente também negou que o BB planeje vender os prédios próprios onde funcionam os Centros Culturais da instituição (CCBBs) ou as agências bancárias. “O que der para fazer com fundos imobiliários, vamos fazer”, limitou-se a responder.

Novaes também não adiantou a nova estrutura do banco que, segundo ele, teve uma boa administração no “passado recente”. A princípio, o novo presidente disse que não irá alterar a quantidade de vice-presidências do BB, e optou por não anunciar nomes nessa segunda-feira. “Estou esperando o ok do comitê de elegibilidade, que é super-rigoroso para aceitar um vice-presidente de fora”, respondeu.

Publicidade
Publicidade