Day after
No dia seguinte da eleição, empresários potiguares falam de suas inquietações
Para os que se dispuseram a fazer comentários, a falta de propostas concretas devem fazer parte do segundo turno
José Aldenir / Agora RN
Presidente da Federação da Agricultura do RN, José Vieira

Na eleição em que um a cada cinco brasileiros resolveu não escolher nenhum dos candidatos disponíveis, de quinze empresários e líderes de classe consultados via WattsZapp pelo Agora RN para expressar suas expectativas para o segundo turno das eleições, apenas quatro retornaram os contatos.

Contatos também por chamadas de voz, muito deles em Natal, optaram por não retornar as ligações.

O presidente da Federação da Agricultura do RN, José Vieira, uma das exceções, revelou uma preocupação especial com a falta de propostas que pautou a campanha dos candidatos à presidência no primeiro turno.

“Esse fato fez com que muitos eleitores votassem por exclusão, o que é muito ruim para o país e, por consequência, para o estado também”, afirmou Vieira.

Para ele, é hora de deixar os eternos debates sobre gênero e raça de lado e focar nos problemas reais do país, duramente atingido por problemas fiscais e pelo desemprego, que atinge milhões de pessoas.

Vieira lembrou que, especificamente em relação ao agronegócio, o último senso agropecuário revelou a extinção de aproximadamente 20 mil propriedades rurais, e questões como essa estão na base das inquietações do setor.

Já para o presidente do Sindicato da Construção Civil do RN, Arnaldo Gaspar Jr, já se passou tempo demais sem um debate sobre os reais problemas do estado. “A campanha toda até agora foi sem nenhum conteúdo do que realmente precisamos”, resumiu.

“Agora, que o segundo turno debata propostas reais e o futuro governador, seja ele quem for, ocupe seu real papel de gestor e não de um mero pagador de folha de funcionários”, afirmou Gaspar.

E encerrou dizendo: “Que Deus projeta o Rio Grande do Norte”.

O importador Atila Feitosa disse esperar que “as pessoas entendam o clamor do povo brasileiro não por um ‘herói da pátria’, mas sim por uma mudança de postura pautada pela lisura, pela honestidade, de que vale a pena trabalhar para conquistar seu espaço e não viver de benesses do estado”.

Para o presidente da Associação Nacional do Agentes de Viagem no RN, Abdon Gosson, a ideia central é que saia do segundo turno das eleições nomes que realmente possam trabalhar para acabar com a crise na economia brasileira.

“Seja quem forem os eleitos no RN ou no País, que eles ataquem com pragmatismo os problemas que infelicitam milhões de brasileiros”, afirmou.