terça,
Expectativa
Mercado eleva projeção para a inflação em 2017, aponta Focus
Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda, 13, pelo Banco Central, mostra que a mediana para o IPCA em 2017 foi de 3,08% para 3,09%
Marcos Santos/ USP Imagens
Imagem ilustrativa

Os economistas do mercado financeiro elevaram levemente suas projeções para o IPCA para este e o próximo ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 13, pelo Banco Central, mostra que a mediana para o IPCA em 2017 foi de 3,08% para 3,09%. Há um mês, estava em 3,00%. Já a projeção para o índice de 2018 foi de 4,02% para 4,04%, ante 4,02% de quatro semanas atrás.

Na prática, as projeções de mercado divulgadas nesta segunda no Focus indicam que a expectativa é de que a inflação fique levemente acima do piso da meta, de 3,0%, em 2017. O centro da meta para este ano e o próximo é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (inflação de 3,0% a 6,0%).

Na última sexta-feira, 10, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA de outubro subiu 0,42%. A taxa ficou perto do piso das estimativas dos analistas (de 0,40% a 0,55%, com mediana de 0,48%). No ano, a inflação acumulada é de 2,21% e, nos 12 meses até outubro, de 2,70%.

Em outubro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC atualizou suas projeções para o IPCA: 3,3% em 2017, 4,3% em 2018 e 4,2% em 2019.

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2017 no Focus foi de 3,05% para 3,03%. Portanto, estas casas também preveem que o BC cumprirá a meta, já que a inflação ficará acima do piso de 3,0%. Para 2018, a estimativa do Top 5 passou de 4,00% para 3,95%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,01% e 3,91%, respectivamente.

PIB

O Focus também aponta que a expectativa de alta para o PIB deste ano seguiu em 0,73%. Há um mês, a perspectiva estava em 0,72%. Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,50%. Quatro semanas atrás, a expectativa era a mesma.

Em 18 de outubro, o BC informou que o IBC-Br cedeu 0,38% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal. Em relação a agosto do ano passado, o índice sem ajuste sazonal subiu 1,64%. No acumulado de 2017 até agosto, o IBC-Br acumula leve alta de 0,31%. Para boa parte dos economistas, apesar do recuo na margem do IBC-Br em agosto, a atividade no País segue em processo de recuperação.

Em 21 de setembro, o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) trouxe as projeções atualizadas do BC para o crescimento do PIB: 0,7% em 2017 e 2,2% em 2018.

No Focus de hoje, a projeção para a produção industrial deste ano passou de avanço de 2,00% para alta de 1,96%. Há um mês, estava em 1,18%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 3,00% para 2,73%, ante 2,50% de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 foi de 52,25% para 52,30%. Há um mês, estava em 52,25%. Para 2018, a expectativa no boletim Focus foi de 55,90% para 55,81%, ante 55,72% de um mês atrás.

Câmbio

Já a cotação da moeda americana terminará 2017 a R$ 3,20, aponta o Relatório. Há um mês, estava em R$ 3,15. O câmbio médio de 2017 permaneceu em R$ 3,19 ante R$ 3,17 de um mês antes.

No caso de 2018, a projeção para o câmbio no fim do ano permaneceu em R$ 3,30. Quatro semanas antes, estava no mesmo patamar. Já a projeção para o câmbio médio no próximo ano permaneceu em R$ 3,26 ante R$ 3,24 de quatro semanas atrás.