quinta,
Reajuste controlado
Gás de cozinha já poderia custar R$ 90, diz revendedor
Para não “judiar” do bolso dos consumidores, os distribuidores seguram o preço do botijão de 13 kg, que custa, hoje, em média, entre R$ 70,00 e R$ 75,00
Reprodução/ Facebook 'Sandro Gás'
Microempresário, Sandro Gomes afirma que vem sentindo retração desde o mês de junho

Os revendedores de gás de cozinha de Natal estão freando os repasses dos reajustes dos botijões entregues nas residências para “poupar” seus clientes habituais dos seguidos aumentos do produto.

Hoje, o preço do botijão de 13 kg varia entre R$ 70,00 e R$ 75,00 entregue em domicílio. Mas o microempresário Sandro Gomes Medeiros, 49 anos, 12 dos quais no ramo, diz que vem sentindo retração no consumo desde junho último, quando os aumentos seguidos começaram a ser praticados.

“Não sei os outros (concorrentes), mas as quedas mensais nas minhas vendas são por volta de 10% todos os meses”, palpita o distribuidor, que lembra bem do valor do botijão quando começou na profissão, em 2004: R$ 8,00.

Sandro, que adotou a maquineta de débito há seis meses e trabalha com ela à tira colo de segunda à segunda, 12 horas por dia, calcula vender 1.200 botijões/mês.

Cada unidade rende a ele uma margem de 10% bruta, pois desse percentual ele sobrevive e paga os custos de combustível e manutenção das motos usados na entrega e a mordida da maquineta de 2,5% sobre cada operação de venda.

No bruto, Sandro e seu sócio faturam por mês, tomando o preço de hoje do botijão de gás, acima dos R$ 8 mil por mês. Mas na hora de calcular os custos, o micro empresário confessa nunca ter feita essa conta. A desculpa dele é compreensível: “E lá eu tenho tempo para essas coisas?”

A propósito, os reajustes do gás de botijão têm sido fator de alta na composição do índice de inflação, assim como os preços da gasolina, que estão em níveis recordes, junto com as tarifas de energia elétrica.

Pelos cálculos do Sindigás, associação das empresas distribuidoras de gás liquefeito de petróleo, o preço praticado pela Petrobras para as embalagens de até 13 quilos ainda está cerca de 1,3 por cento abaixo do preço de paridade internacional, com o reajuste anunciado nesta segunda-feira, 4.