Publicidade
Dinheiro
Apenas 11 mil potiguares investem na Bolsa de Valores, diz economista
Fernando Amaral, professor da FGV em Natal, explica que as sucessivas quedas na taxa básica de juros, liquidaram a última defesa das pessoas mais humildes contra a corrosão de seu poder de compra
Ilustrativa
Ilustrativa

Com a poupança quase igual à inflação, ou seja, sem rendimento real, a diarista Marlene Santos, de Parque das Dunas, na Zona Norte de Natal, viu escorrer pelo ralo a única aplicação que ela e outros milhões de brasileiros ainda confiavam, pelo menos até agora: a poupança.

Fernando Amaral, professor de Finanças na FGV, consultor de empresas e de gestão fiscal para governos e municípios do RN, explica que as sucessivas quedas na taxa básica de juros, também conhecida como Selic, liquidaram a última defesa das pessoas mais humildes contra a corrosão de seu poder de compra.

“Não é preciso nem dizer que a grande maioria das pessoas tem dificuldade para investir, já que não conseguem economizar nada do dinheiro do mês, devorado pelos custos com habitação, alimentação, transporte, vestuário, higiene e cuidados pessoais, assistência à saúde e outras despesas correntes consomem 90% do orçamento de quem ganha um salário mínimo”, lembra.

Com isso, segundo o consultor, menos de 1% da população no Brasil investe no mercado financeiro e aqui no RN apenas 11 mil CPFs estão ativos na Bovespa. “E é uma pena que seja assim, uma vez que o mercado financeiro no Brasil é maduro embora com poucas empresas listadas”, acrescenta.

Além disso, corretoras sérias estão diariamente oferecendo suporte e vários cursos estão disponíveis para poder aprender sobre tipos de investimentos e como investir, nem que seja em renda fixa.

“Trata-se de um investimento que tem uma rentabilidade previsível, seguindo uma taxa mensal como Selic ou CDI, que está 4,40% ao ano. Mesmo esses investimentos possuem uma margem de segurança melhor, mas como diz a literatura: “quanto menor o risco, menor o retorno”, diz.
Fernando Amaral pontua que uma alternativa que tem sido muito buscada é investir no tesouro direto, título emitido pelo governo federal, que tem um rendimento um pouco melhor de 7,00% ao ano.

“Crescimento do patrimônio tem sido muito buscado por quem investe em renda variável, que é o investimento sem nenhuma taxa atrelada e sem rendimento mensal pré-determinado”, pontua o consultor.

“E investir em ações, opções de ações são as mais procuradas nessa modalidade de investimento”, acrescenta.

A retomada da economia, a confiança do país no cenário internacional e um conjunto de fatores internacionais tem dado um tom otimista para investir nesses papeis, acredita Fernando.

Segundo ele, o índice Bovespa, que subiu 209% de 2009 para cá está em máxima histórica, o índice da bolsa americana S&P também e bolsas na Europa e Ásia tem registrado máximas constantemente.

“Um caso que ganhou grande repercussão foi a valorização das ações da Magazine Luiza que saiu de R$ 0,40 em meados de 2015 e hoje está R$ 48,88, uma valorização de 35.000%. Quem tivesse investido R$ 1.000,00 hoje teria R$ 351.000,00”, exemplifica.

Publicidade
Publicidade