Relatório
Vigilância ambiental apresenta relatório das condições dos terminais de transportes
Relatório atenta para atual quadro preocupante no que se refere às condições de trabalho dos profissionais, que pode se agravar futuramente se providências não forem tomadas
Parada de ônibus na Ribeira estava com o teto danificado
José Aldenir/ Agora Imagens
Parada de ônibus em Natal

O Setor de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador (VISAMT) apresentou o relatório quadrimestral no período do começo de 2015 ao início de 2017, sobre as “Condições dos Terminais de Transportes Coletivos Urbanos de Natal”. A Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Contaminantes Químicos (VIGIPEQ) participa do relatório.

Baseado na ação da equipe da Vigilância em Saúde do Trabalhador (VIGISAT), que estabeleceu um roteiro de visitas aos terminais de ônibus na capital potiguar, observando as condições ambientais, estruturais e sanitárias desses locais. Além disso, foram aplicados questionários aos motoristas e cobradores que circulam nestes ambientes, a fim de traçar o perfil dos trabalhadores.

Nessa ação foram visitados terminais de ônibus dos cinco Distritos Sanitários de Natal, tratando-se de um minucioso trabalho investigativo acerca das condições de trabalho dos motoristas e cobradores de ônibus dos transportes urbanos de Natal, possibilitando ampliar a compreensão dos fatores estressantes presentes no cotidiano dos motoristas de ônibus urbano da cidade.

A proposta da VIGISAT busca, neste sentido, estabelecer um olhar especial sobre esses trabalhadores, pois ocupam um lugar de destaque no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no que se refere aos transtornos mentais, além disso, estes são os profissionais que mais procuram o serviço do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) para tratamento de enfermidades.

Segundo aponta, o relatório atenta para o atual quadro preocupante no que se refere às condições de trabalho desses profissionais e que pode se agravar futuramente se algumas providências não forem tomadas.

“Recomenda-se que se tenha infraestrutura adequada, um cuidado maior na conservação dos prédios onde funcionam os terminais e seus entornos, além do acompanhamento, reformas, mudanças e melhorias reivindicadas para estes locais, a fim de atender e proporcionar a qualidade de vida destes profissionais”, destacou o chefe da VISAMT, Marcílio Xavier.