Publicidade
Justificativa
STTU diz que semáforos foram implantados para preservar vidas de pedestres
Titular da pasta, Elequicina Santos defendeu a decisão de se ampliar o número de sinais na cidade e disse que eles não podem ser responsabilizados pela lentidão do trânsito
José Aldenir / Agora RN
Na quarta-feira, semáforo em frente a Igreja Universal começou a operar normalmente

Ao defender a implantação dos novos semáforos na capital, a secretária de mobilidade urbana de Natal, Elequicina Santos, usou como argumento a equiparação de acidentes registrados entre pedestres e motociclistas. Segundo ela, os registros estariam quase iguais, o que levou a STTU a aumentar a quantidade dos equipamentos, implantando novos na Hermes da Fonseca e na Salgado Filho, perto da Igreja Universal.

De acordo com a secretária, que deu entrevista a rádio 98 FM nesta quarta-feira, 11, o fato de um pedestre correr risco de vida já justifica a instalação de um semáforo na região. Ela insistiu, durante toda a sabatina, que todos esses sinais são devidamente sincronizados e que os engarrafamentos na cidade registrados nesta quarta-feira sempre existiram.

Um dos semáforos que mais provocou reclamações nas redes sociais ao longo do dia fica a poucos metros de outros dois, no cruzamento da Hermes da Fonseca com a rua Joaquim Fagundes e no retorno que dá acesso da Hermes da Fonseca para a avenida Alberto Maranhão.

No local onde está sendo instalado o equipamento, há uma parada de ônibus no sentido zona Sul, além de uma padaria e um estacionamento. A STTU não informou se o semáforo será acionado somente por meio do botão do pedestre que deseja fazer a travessia ou se terá algum tipo de sincronização aos demais já existentes no trecho.

Quando perguntada sobre o alto número de multas de trânsito que estão sendo aplicadas, a secretária defendeu as decisões dos fiscais e negou que exista uma “indústria da multa” em Natal. Para ela, há sim uma “indústria” de erros de motoristas, que insistem em desrespeitar as leis de trânsito. “Nós vemos pelas câmaras que as pessoas continuam usando celular como sempre, nada mudou”, completou.

TRANSPORTE

Sobre a precariedade do sistema de transporte público em Natal e das faixas de ônibus que geram situação de multa para os veículos que ocupam dois terços da faixa, Elequicina atribuiu a responsabilidade aos fracassos nas licitações para a entrada de novas empresas, que deram desertas, por conta das emendas ao edital que afugentaram os interessados.

“Piso baixo, motor traseiro, ar condicionado… tudo isso elevaria a tarifa e as empresas não teriam retorno”, afirmou a secretária.

Ainda não há um prazo para uma nova licitação acontecer. Após o edital ser lançado, como prevê a lei, as empresas interessadas terão 45 dias para enviar suas propostas. Esta é a terceira vez que há chamamento para a licitação dos transportes públicos de Natal. O primeiro edital, que estava para ser publicado no ano de 2017, foi chamado duas vezes e, por isso, o projeto foi suspenso enquanto ocorria a modificação da lei.

Todas as últimas licitações obtiveram ausência de interessados, pois os empresários consideraram que havia falhas que gerariam prejuízo no planejamento apresentado. Finalmente, Elequecina Santos afirmou que o prefeito Álvaro Dias “adoraria” conceder subsídios às empresas de ônibus para melhorar a qualidade dos serviços delas, mas que a verdade é uma só: não há dinheiro disponível para isso.

Sobre o déficit de 1,5 mil abrigos de ônibus, prometeu que novas licitações vão acontecer em breve.

Publicidade
Publicidade