Publicidade
Educação
Prefeitura de Parnamirim sugere duas escolas para se tornarem cívico-militares
Gestão do prefeito Rosano Taveira decidiu solicitar adesão do programa do governo federal após recusa do Governo do Estado, que alegou falta de conhecimento sobre política pedagógica
Google Maps / Reprodução
Escola Municipal Augusto Severo, no Centro, foi uma das selecionadas pela prefeitura

O Rio Grande do Norte foi um dos 11 estados brasileiros que optaram por não aderir ao Programa de Escolas Cívico-Militares, do Ministério da Educação (MEC). Devido à recusa do Governo do Estado de adotar o modelo.

O prazo para que os municípios postulantes se cadastrem como interessados em receber o programa começou na semana passada e vai até a próxima sexta-feira, 11.

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, e a prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini, divulgaram em suas redes sociais que vão pleitear o modelo cívico-militar para as suas cidades. A gestão do prefeito Rosano Taveira, em Parnamirim, já havia confirmado o interesse do município no projeto antes mesmo de o prazo de adesão dos estados encerrar.

Na última quinta-feira, 3, Álvaro Dias publicou no seu Twitter que esteve com membros do governo federal, no Gabinete Civil da Presidência da República, para debater o assunto.

“Estivemos no Gabinete Civil da Presidência da República, com a secretária adjunta de Governo, Patrícia Brito Ávila, e assessores, tratando da escola cívico-militar, para o município de Natal”, contou.

Já a prefeita de Mossoró criticou os governos estaduais que não aderiram ao programa. Para Rosalba, a atitude dos estados que não adotaram foi “partidária”, o que, para a ex-governadora potiguar, foi um “erro imensurável”.

“Acredito que é um erro imensurável dos estados que abriram mão. Logo, parabenizo o estado do Ceará (único do Nordeste a aceitar o programa), que não agiu partidariamente, e sim pensando no bem-estar e educação de seus jovens”, publicou no seu Instagram.

Ainda na fase em que era de responsabilidade do Governo do Estado demonstrar interesse em receber o projeto, os vereadores de Parnamirim Abidene Salustiano (PSC) e Fativan Alves (PSDB) se articulavam em uma audiência pública, na Câmara Municipal, com o intuito de debater a implantação de uma escola cívico-militar.

Após o encontro na Câmara, a Prefeitura mandou ofício ao MEC solicitando a inclusão de Parnamirim no projeto. Para isso, o prefeito Rosano Taveira indicou duas escolas que poderiam receber o projeto: as escolas municipais Augusto Severo, no Centro, e Senador Carlos Alberto de Souza, em Passagem de Areia.

O Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares é uma iniciativa do MEC, em conjunto com o Ministério da Defesa. Duas escolas serão escolhidas por estado. A ideia do governo federal é implantar 216 escolas deste modelo em todo o País até 2023, sendo 54 por ano. O governo Jair Bolsonaro promete a destinação de R$ 1 milhão para compor o orçamento de cada escola por ano, a partir da implantação.

Instituições

Escola Municipal Augusto Severo
Rua Sargento Norberto Marque, nº 158, Centro
Contempla 734 alunos
Ideb: 3,8

Escola Municipal Senador Carlos Alberto de Souza
Rua Joaquim Alexandrino Saraiva, nº 565, Passagem de Areia
Contempla 563 alunos
Ideb: 3,6

Publicidade
Publicidade