Publicidade
Meio Ambiente
Manchas de óleo cru já atingem estuário do rio Pirangi, em Parnamirim
Somente no Rio Grande do Norte, foram identificados em 43 pontos diferentes de contaminação
José Aldenir / Agora RN
Manchas de piche começaram a aparecer em praias do litoral do RN em setembro

Representantes das secretarias municipais de Meio Ambiente e Urbanismo, Educação, Saúde, Limpeza, Serviços Urbanos e Turismo e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema) decidiram intensificar as ações de limpeza e descarte das manchas de óleo cru que têm surgido em praias potiguares, incluindo o litoral de Parnamirim.

Segundo avaliação das autoridades, a poluição já atingiu o estuário do rio Pirangi, daí a necessidade de intensificar o trabalho de remoção e a conscientização da população.

As manchas – que, segundo a Petrobras, são de um tipo de óleo que não é produzido no Brasil – começaram a aparecer no início de setembro. Somente no Rio Grande do Norte, foram identificados em 43 pontos diferentes de contaminação.

“É importante que o nosso pessoal das secretarias receba capacitação para que possamos propagar essas informações. Ao se deparar com as manchas de óleo na praia, como proceder? O que fazer? A nossa função é orientar e dar todos os esclarecimentos”, disse o coordenador da Semur, Luiz Antônio Melo.

A orientação é para que a população não entre em contato diretamente com o óleo sem a utilização de luvas apropriadas. Em caso de contato com o resíduo, deve-se higienizar a pele com gelo e óleo de cozinha. O médico deverá ser consultado nos casos de reação alérgica ou ingestão. Em todas as situações, a localização do óleo deve ser comunicada à Prefeitura. Se localizar animais atingidos pelas manchas, a população deve informar ao projeto Cetáceos Costa Branca, pelo telefone (84) 99943-0058.

Publicidade
Publicidade