Saúde pública
Novo hospital é maior iniciativa desde Januario Cicco, diz Ebserh
Presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) destaca construção de nova unidade hospitalar na zona Norte de Natal;
Kleber Morais, Ângela Paiva e Carlos Eduardo Alves na cessão do terreno para hospital
Marco Polo Veras
Kleber Morais, reitora da UFRN, Ângela Paiva e prefeito Carlos Eduardo

O projeto do novo Hospital da Mulher, que será construído na Zona Norte de Natal, ainda não foi nem mesmo finalizado, contudo, já é possível apontar uma coisa: a obra vai ser grande e pretende mudar paradigmas do atendimento médico a mulher potiguar. Pelo menos, foi isso que afirmou o presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Kléber Morais, responsável pela gestão da unidade, que será erguida em um terreno vizinho ao Hospital Santa Catarina.

“O Hospital da Zona Norte é de uma importância enorme. Como hospital universitário, vai exercer um trabalho importante de ensino, pesquisa e extensão, além de atender a população carente da zona Norte, da Grande Natal e de municípios vizinhos. Depois do grande feito de (maternidade) Januario Cicco, essa será, sem dúvida, uma das maiores iniciativas para que nós possamos tratar a mulher potiguar com maior dignidade. Vai modificar a saúde pública no atendimento as nossas mulheres”, acrescentou.

Na sexta-feira, 9, o prefeito Carlos Eduardo Alves sancionou a lei aprovada pela Câmara Municipal de Natal cedendo o terreno vizinho ao Hospital Santa Catarina para a construção do novo hospital (a área mede 16.400 metros quadrados, está avaliado em R$ 15 milhões). Agora, o projeto do hospital deverá ser finalizado e, em seguida, é realizada a licitação para a obra.

Esse período, no entanto, não deverá ser nada curto, sendo estimado pelos envolvidos no projeto (Universidade Federal do RN e Ebserh), como tendo 18 meses de duração. A obra, que deverá consumir R$ 120 milhões para a construção do espaço físico e outros R$ 80 milhões em equipamentos, será finalizada em até 36 meses.

Ao todo, o Hospital Universitário da Mulher terá 200 leitos com atendimento a todas as patologias da saúde da mulher e infantil, além de ampliar a cobertura de atendimento em maternidade na zona Norte de Natal. Serão cerca de 1.500 empregos diretos gerados na unidade quando ela estiver em funcionamento, além de um oferecimento de, aproximadamente, 40 unidades de terapia intensiva (UTI) neonatais.