quarta,
Conselho
Maurílio Pinto recomenda que delegada Sheila Freitas não assuma Sesed
Devido ao fato de ela ser de um cargo inferior, Maurilio avalia que ela poderá enfrentar bastante dificuldade durante o comando da pasta
maurílio pinto
Divulgação
Ex-delegado Maurílio Pinto

O ex-delegado da Polícia Civil Maurílio Pinto “Xerife” disse recomendar à delegada Sheila Freitas se abster do cargo da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (Sesed), após aceitar o convite do governador Robinson Faria (PSD) para comandar a pasta. Ele aponta que apesar de sua competência, a delegada não deveria ficar no cargo devido sua hierarquia na polícia.

O nome de Sheila Freitas já vinha sendo especulado à nova gestão já há alguns dias após o pedido de exoneração do cargo pelo ex-secretário Caio Bezerra, e também após o pedido de afastamento pelo delegado geral da Polícia Civil, Claiton Pinho. Na manhã dessa quarta maiores expectativas foram tomadas sobre essa possibilidade após Robinson se reunir com a delegada, e ao término da reunião, tal fato foi definido.

Apesar disso, o ex-delegado emitiu opiniões sobre o caso, pedindo para Sheila ainda esperar ser promovida a hierarquias maiores dentro da polícia, já que ela não é da classe especial. “No momento ela pode esperar um pouco mais para ser promovida a classe especial, que é a última classe de delegados”, diz.

Devido ao fato dela ser de um cargo inferior, Maurílio avalia que ela poderá enfrentar bastante dificuldade durante o comando da pasta, pois devido a grandeza da função de secretário, este requer mais hierarquia. “Que ela é competente e merece, não tenho dúvidas. Mas ela vai encontrar dificuldades exatamente por isso, por causa da hierarquia e disciplina”, afirma.

A definição da nova titular na Sesed vem à tona em meio a uma crise de segurança pública no Rio Grande do Norte. Recordes de violência vem definindo os quatro primeiros meses de 2017. Segundo o Observatório da Violência Letal Intencional do RN (Obvio), mais de 700 homicídios já foram relatados, número nunca registrado na história do Estado.