segunda,
Publicidade
x fechar anúncio
Conselho
Maurílio Pinto recomenda que delegada Sheila Freitas não assuma Sesed
Devido ao fato de ela ser de um cargo inferior, Maurilio avalia que ela poderá enfrentar bastante dificuldade durante o comando da pasta
maurílio pinto
Divulgação
Ex-delegado Maurílio Pinto

O ex-delegado da Polícia Civil Maurílio Pinto “Xerife” disse recomendar à delegada Sheila Freitas se abster do cargo da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (Sesed), após aceitar o convite do governador Robinson Faria (PSD) para comandar a pasta. Ele aponta que apesar de sua competência, a delegada não deveria ficar no cargo devido sua hierarquia na polícia.

O nome de Sheila Freitas já vinha sendo especulado à nova gestão já há alguns dias após o pedido de exoneração do cargo pelo ex-secretário Caio Bezerra, e também após o pedido de afastamento pelo delegado geral da Polícia Civil, Claiton Pinho. Na manhã dessa quarta maiores expectativas foram tomadas sobre essa possibilidade após Robinson se reunir com a delegada, e ao término da reunião, tal fato foi definido.

Apesar disso, o ex-delegado emitiu opiniões sobre o caso, pedindo para Sheila ainda esperar ser promovida a hierarquias maiores dentro da polícia, já que ela não é da classe especial. “No momento ela pode esperar um pouco mais para ser promovida a classe especial, que é a última classe de delegados”, diz.

Devido ao fato dela ser de um cargo inferior, Maurílio avalia que ela poderá enfrentar bastante dificuldade durante o comando da pasta, pois devido a grandeza da função de secretário, este requer mais hierarquia. “Que ela é competente e merece, não tenho dúvidas. Mas ela vai encontrar dificuldades exatamente por isso, por causa da hierarquia e disciplina”, afirma.

A definição da nova titular na Sesed vem à tona em meio a uma crise de segurança pública no Rio Grande do Norte. Recordes de violência vem definindo os quatro primeiros meses de 2017. Segundo o Observatório da Violência Letal Intencional do RN (Obvio), mais de 700 homicídios já foram relatados, número nunca registrado na história do Estado.