Dia dos Namorados
Geração: uma família e duas histórias de amor sobre devoção e superação
No Dia dos Namorados o Agora RN conta duas lindas histórias de amor que unem exemplos de devoção, paciência, doação e superação de dois casais pertencentes da mesma família
Cedida/ Arquivo pessoal
Thais, Manoel, Cássia e Maxwelder: família une lindas histórias de amor

O Dia dos Namorados é uma data muito comemorada pelos românticos. E nada mais romântico neste dia do que ter o exemplo de belas histórias de amor. A história de Rita de Cássia e Manoel Gomes, ambos comerciantes, por exemplo, teve início em uma cidade do interior do Rio Grande do Norte, o município de Lajes Pintadas, localizado na microrregião da Borborema Potiguar. Cássia lembra que tinha apenas 10 anos de idade quando encontrou pela primeira vez com Manoel quando, junto de uma irmã, foi visitar a casa de uma família que iria se mudar.

Essa família era a de Manoel, que na época tinha 15 anos de idade. Lá, pela primeira vez, Cássia pôde colocar os olhos em seu futuro marido e sentiu, mesmo sendo muito jovem, seu coração bater de forma diferente do habitual.

“Eu comecei a olhar para ele e meu coração começou a se transformar. Meu coração foi mudando e eu fui sentindo um amor tão grande por ele e eu pensava comigo ‘meu Deus, o que está acontecendo? Eu nunca senti isso. O que está acontecendo comigo?’. Aquele sentimento ficou marcado em meu coração”, diz.

Muito católica e devota a Maria, a jovem viu em sua crença a chance de tentar desabafar e entender o que estava acontecendo com seus sentimentos. Em oração, pediu para que Maria unisse sua vida e a de Manoel, mesmo sendo jovem e não entendendo a complexidade desse clamor. O tempo passou e por 4 anos Cássia se manteve forte em sua fé, crendo que Manoel era o homem de sua vida e que Maria agiria unindo-os quando necessário.

A comerciante tinha, de alguma forma, certeza de que um dia seu destino e o de Manoel seriam unidos. Durante 8 anos Cássia orou todas as noites para Maria, sempre com o mesmo propósito. Namorou sério duas vezes e em uma quase casou. Nesta última, ela conta que havia desistido de Manoel, pois descobriu que ele estava em um noivado. Para seguir em frente também decidiu noivar.

Foi no momento em que colocava o anel no dedo do noivo que Cássia ouviu uma voz de criança que sussurrou em seu ouvido a seguinte mensagem: “Olhe, você não pode casar! Você só casa quando Manoel casar!”. A comerciante afirma que ouvir essas palavras a fizeram retomar a esperança e ela soube que era uma mensagem de Maria. “Foi uma alegria dentro do meu coração. E eu falei assim ‘tá certo, mãezinha, eu entendi o seu recado. Eu não vou casar”, afirma Cássia.

A jovem, mesmo noiva, evitava, de todas as formas, organizar o casamento. Ela tinha a esperança de que, se fosse da vontade de Deus e Maria, ela e seu amado seriam unidos novamente. Uma irmã de Manoel, que morava na mesma cidade que Cássia, contou que ele tinha terminado seu noivado. Feliz e contagiada pela possibilidade de reencontrar o amor da sua vida, Cássia também rompeu com seu noivo e orou para que seus destinos fossem cruzados.

Naquela época, em 1986, o jovem morava em Natal e era gerente de um hotel. Manoel ficou triste e deprimido com o fim do relacionamento com sua ex-noiva e decidiu, também por ser devoto a Maria, entregar seu destino em suas mãos, pedindo para que fosse-lhe apresentada, de alguma forma, a sua futura esposa. Naquela mesma noite, Manoel teve um sonho onde viu o rosto da mãe de Cássia e interpretou o recado: ele precisava voltar para Lajes Pintadas, pois lá estaria a sua prometida.

Foi durante a festa do padroeiro da cidade, Santo Antônio, que Manoel retornou ao município. Lá encontrou todas as irmãs de Cássia, mas somente quando a encontrou ele pôde sentir que era ela sua futura esposa. Quando a viu, se apaixonou, e voltou a Natal decidido a confessar o seu amor. Em uma carta contou sobre seus sentimentos e pediu para que ela o encontrasse na casa de um conhecido de suas famílias no mês de agosto. Cássia recebeu a carta e o respondeu de imediato dizendo que estaria presente.

A primeira carta enviada por Manoel é guardada ao lado da foto do primeiro encontro dos dois.                Foto: Arquivo Pessoal

Desde então os dois não se separaram mais. Hoje, com 30 anos de casamento, o casal comemora uma vida feliz e cheia de conquistas e dificuldades vencidas. Pais de dois filhos, Maxwell dos Santos Gomes e Maxwelder dos Santos Gomes, Cássia e Manoel são o exemplo de que em um matrimônio é necessário ter doação, amor e cuidado um para com o outro. Esse sentimento altruísta, de querer fazer outrem feliz pode ser a chave para um relacionamento duradouro.

Foto: Margarete Torres/ Arquivo Pessoal

De geração para geração

O filho mais novo do casal, Maxwelder, de 26 anos, é mecânico e aprendeu bem a lição com seus pais. Ele conheceu a Assistente de Recursos Humanos, Thais Nara Batista, de 26 anos, durante os ensaios de uma quadrilha junina do grupo de jovens da igreja católica que frequentava. Mesmo namorando na época, o jovem afirma que assim que viu Thais sentiu algo diferente e logo ficou interessado. Na ocasião os dois tiveram que ensaiar a quadrilha juntos, pois seu par, que era sua namorada, havia faltado.

Por namorar com outra pessoa, Maxwelder não se relacionou com Thais e acabou a incentivando a iniciar uma relação com um de seus amigos. Pouco tempo depois, a jovem também estava em um relacionamento sério e acabou se afastando por um tempo de Maxwelder. Foi quando Thais, com apenas 16 anos, descobriu que estava com câncer.

A jovem iniciou uma batalha contra a doença, com tratamento e quimioterapia. Ao saber da notícia, Maxwelder foi visitar Thais junto de alguns amigos. Ambos estavam solteiros e, nesse momento, o mecânico já queria se relacionar com a jovem e buscava formas de demonstrar isso. A oportunidade perfeita de reaproximação surgiu em um encontro de namorados na igreja.

Um casal de amigos próximos de ambos iria participar, então os dois resolveram ir, mesmo sem ainda serem namorados, apenas por brincadeira. E a iniciativa deu tão certo que, no dia seguinte, em 5 de julho de 2009, o primeiro beijo aconteceu. Desde então, o casal não se separou mais. Thais teve o auxílio de Maxwelder durante sua recuperação e batalha contra o câncer ainda no início do relacionamento.

Recuperando-se aos poucos, Thais venceu a doença e pôde reconstruir sua vida. O casal celebrou seu matrimônio no dia 27 de agosto de 2016 e hoje vivem juntos dando testemunho do amor que sentem um pelo outro e da superação dos obstáculos pelos quais tiveram que passar. Mesmo ainda sendo “recém-casados”, ambos já compreendem o sentido de viver como homem e mulher, afinal, iniciaram sua história já pondo em prova os votos do matrimônio, que propõem que o casal esteja unido “na saúde e na doença”.

Thais Nara e Maxwelder venceram o câncer                                                                                                        Foto: Arquivo Pessoal