segunda, 24 de abril de 2017
Parado
Burocracia com licitação tem atrasado chegada da transposição do Rio São Francisco no RN
Empreiteira Mendes Júnior, empresa que estava responsável pelas obras, abandonou o projeto em julho do ano passado alegando dificuldades financeiras
Foto: Reprodução
Reprodução / Autor desconhecido
Mairton França, da Semarh

Muito aguardada pelos potiguares, as obras da transposição do Rio São Francisco só deverão chegar ao Rio Grande do Norte em dezembro deste ano. A previsão foi dada pelo ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, em reunião realizada no final do mês passado em Brasília e que contou com a participação de diversos representantes potiguares, como as bancadas federais na Câmara e no Senado, além do presidente da Federação das Indústrias do Estado, Amaro Sales.

O prazo até o fim deste ano também foi apresentado pelo titular da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Ivan Júnior, em contato com a reportagem do Agora Jornal nesta quarta-feira, 19. O secretário-adjunto da pasta, Mairton França, por sua vez, acredita que o prazo poderá ser um pouco maior, se estendendo até a metade do ano que vem.

Segundo Mairton, o principal empecilho que tem atrasado a chegada da transposição no RN é o fato da empresa Mendes Júnior ter abandonado as obras em meados do ano passado. Alegando dificuldades financeiras, a construtora, que é investigada no âmbito da Operação Lava Jato e era a responsável pelas três estações de bombeamento elevatórias, parou os serviços desde o último dia 22 de julho, impedindo a continuidade do projeto.

A Mendes Júnior possuía dois contratos firmados com o Ministério da Integração Nacional para a construção das estruturas de engenharia da primeira etapa (Meta 1N) do Eixo Norte do empreendimento, que compreende a captação de água do rio São Francisco, em Cabrobó-PE, até o início do reservatório Jati, em Jati-CE. São 140 quilômetros de traçado de canais, barragens e outros equipamentos.

Em agosto de 2016, o Tribunal de Contas da União (TCU) deu parecer favorável para que o Ministério assumisse a responsabilidade de substituir a construtora. Com as considerações feitas pelo órgão de controle, a pasta informou que iria chamar todos os envolvidos no processo visando encontrar a melhor solução entre as alternativas consideradas possíveis para que as obras pudessem ser entregues o mais próximo possível do cronograma previsto, que dava conclusão ao projeto em dezembro do ano passado.

“Estamos aguardando para conhecer a nova empresa que vai assumir as responsabilidades das obras da transposição. Foi feita uma nova licitação onde sete empresas participaram da disputa, mas estão tendo um problema com relação a recursos. Assim que resolverem este impasse a nova licitação deve ser concluída. A previsão do Ministério é que a conclusão seja ainda neste mês”, disse Mairton à reportagem do Agora Jornal.

As obras da Transposição atingiram 89,2% de execução em julho de 2016 e, quando concluídas, prometem garantir o abastecimento regular para mais de 12 milhões de pessoas em Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O custo total da construção é de R$ 8,2 bilhões, segundo informado pelo Ministério da Integração Nacional. Ceará e Rio Grande do Norte dependem exclusivamente do início dos trabalhos do Eixo Norte.