terça,
Beneficiários
Apenas 1% dos idosos tem plano de saúde no RN, segundo Agência Nacional de Saúde
Faixa etária que mais cresceu foi a de 80 anos ou mais (3,3%), seguida pela de 70 a 74 anos (3,1%) e a de 65 a 69 anos (2,4%)
Marcos Santos
Para 2030, por exemplo, projetou-se que os idosos representarão 20,5% dos beneficiários

Mesmo com o número de beneficiários aumentando, apenas 1% dos idosos com mais de 60 anos tem plano de saúde no Rio Grande do Norte. Os dados são da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e analisados pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

De acordo com os números, 64.248 idosos potiguares possuíam plano de saúde em março deste ano. E mesmo com crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior (eram 61.400 beneficiários), a proporção é de somente 1% em relação ao total de idosos do estado.

O número de idosos beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares registrou aumento de 1,7% entre março de 2016 e março de 2017, demonstrando que essa faixa etária segue um caminho inverso do total de beneficiários, que registrou queda de 2% no mesmo período.

Dentre os idosos, a faixa etária que mais cresceu foi a de 80 anos ou mais (3,3%), seguida pela de 70 a 74 anos (3,1%) e a de 65 a 69 anos (2,4%). Nesse mesmo período (entre março/16 e março/17), ambos os sexos apresentaram crescimento no número de idosos, sendo no sexo masculino um aumento de 1,7% e no feminino de 1,8%. Proporcionalmente, em março de 2017, 59,8% dos idosos eram do sexo feminino e 40,2% do sexo masculino. Nesse mesmo mês, em março de 2017, os idosos representavam 13% do total de beneficiários, enquanto que em março de 2007 (dez anos atrás), os idosos representavam 11,2%. Isso significa que, considerando a atual crise econômica do país e que as demais faixas etárias tiveram redução, os idosos aumentaram sua representatividade no total de beneficiários.

Para 2030, por exemplo, projetou-se que os idosos representarão 20,5% dos beneficiários. A velocidade desse avanço do envelhecimento varia conforme a modalidade e o tipo da operadora de saúde.

A modalidade de operadora que mais recebe novos beneficiários idosos são as medicinas de grupo. Entre março/16 e março/17, essa modalidade cresceu 4,2%, seguido das seguradoras (2,0%), das cooperativas médicas (0,7%) e das autogestões (0,3%). Em contraposição, as filantropias tiveram queda de 3,7% no número de idosos.

O avanço dos idosos também varia conforme o tipo de contratação do plano de saúde médico-hospitalar. Entre março/16 e março/17, os planos individuais cresceram 1,7% e os planos coletivos cresceram em um ritmo semelhante, de 1,9%. Porém, ao segregar os planos coletivos, no mesmo período, os do tipo empresarial cresceram 2,3% e os por adesão cresceram em 1,2%.

Os planos anteriores à lei 9.656/98 tiveram queda de 0,4%, entre março/16 e março/17, no número de beneficiários acima de 60 anos de idade. Porém, essa queda foi influenciada pelos planos do tipo Individual ou Familiar anteriores à lei (redução de 2,4%). Em contrapartida, os planos do tipo coletivo empresarial e coletivo por adesão anteriores à lei cresceram, respectivamente, 1,2% e 1,9% nesse mesmo período. Na mesma comparação, os planos posteriores à lei 9.656/98 cresceram 2,5%, sendo 3,4% do tipo Individual ou Familiar, 2,5% do tipo Coletivo Empresarial e 0,9% do tipo Coletivo por adesão.