Expectativa
Pininfarina vira marca e promete supercarro elétrico de R$ 9,8 milhões
Tradicional estúdio de design conhecido pelo trabalho com a Ferrari será parceiro no desenvolvimento dos novos modelos
Divulgação / Pininfarina
Embora leve o nome mítico, a Automobili Pininfarina é uma empresa totalmente separada com capital 100% da Mahindra & Mahindra

O mundo dos carros de luxo promete ser bem mais variado nas próximas décadas, com novas marcas que tentam aproveitar a oportunidade aberta pela propulsão elétrica. Uma delas será a Automobili Pininfarina, que carrega o nome do lendário estúdio de design conhecido pelo trabalho com a Ferrari.

Assim como a Tesla começou sua história, o primeiro modelo da Pininfarina será um esportivo com volume pequeno, mas o preço será de outro nível: entre US$ 2 milhões e US$ 2,5 milhões (de R$ 7,8 milhões a R$ 9,8 milhões).

A empresa promete esportividade à altura do nome, com aceleração de 0 a 100 km/h em 2 segundos e velocidade máxima de 400 km/h.

A autonomia com uma carga de bateria deve ficar em torno de 500 quilômetros, segundo a fabricante. O primeiro conceito deve ser revelado em agosto deste ano nos Estados Unidos.

Embora leve o nome mítico, a Automobili Pininfarina é uma empresa totalmente separada com capital 100% da Mahindra & Mahindra, grupo indiano que comprou o estúdio italiano em 2015.

O primeiro modelo deve chegar ao mercado em 2020 e será seguido por outros também totalmente elétricos, incluindo um SUV, é claro.

Início

O grupo Pininfarina foi fundado em 1930 e criou carros para Fiat, Alfa Romeo, Cadillac, entre outros. Mas os prinipais carros foram para a Ferrari, marca com a qual desenvolveu a maioria dos modelos desde 1950.

Entre os ícones criados para a marca italiana, estão a 360 Modena, Testarossa, 575 Maranello e a lendária 250 GT. Os modelos FF, F12 Berlinetta e 458 Italia são os mais recentes. A parceria entre as duas empresa já ultrapassa os 60 anos.

O principal nome do estúdio foi Sérgio Pininfarina. Em 1950, ele se formou engenheiro mecânico na politécnica de Torino e começou a carreira na firma da família, então chamada de “Carrozzeria Pinin Farina”.

Com a morte de seu pai em 1966, assumiu de vez o comando da empresa. Além de desenvolver carros, ele foi visionário em várias áreas, como por exemplo, na criação do primeiro túnel de vento na Itália, em 1972, também um dos primeiros do mundo. Sergio morreu em 2012, aos 85 anos.

 

 

Fonte: Autoesporte