domingo,
Tecnologia
Continental cria sistema de som sem alto-falantes e inova mercado de autos
Por ser compacta, a novidade pode ser instalada em qualquer carro, de um top de linha a um compacto
Ilustração
Batizada Ac2ated, tecnologia transforma partes do interior em “instrumentos”

Um sistema de som sem alto-falantes parece delírio ou coisa de ficção científica, mas a Continental acabou de revelar uma tecnologia do tipo. O sistema usa atuadores para vibrar determinadas partes do veículo e gerar o som a partir disso. Segundo a Continental, a inspiração veio dos instrumentos de corda.

O atuador gera um sinal elétrico e o sinal acústico decorrente é transmitido às peças graças ao uso de adesivos capazes de repercutir melhor o som. São as próprias superfícies que transmitem as ondas. Como pode ser instalado em qualquer lugar, dos painéis de porta ao teto, o sistema reproduz um som surround. Para obter a mesma acústica envolvente, um som tradicional precisaria de vários alto-falantes e sinais variados.

Seriam necessários um conjunto completo de tweeters para alta-frequência, alto-falantes de média frequência e subwoofers para as baixas – essa peça sozinha pode tirar mais de 30 litros do porta-malas.

Outra vantagem é a economia de peso, enquanto um sistema convencional tem até 20 kg de peso em média, a tecnologia da Continental tem apenas dois quilos, um décimo disso. Além disso, ele consome bem menos energia e não ocupa espaço na cabine. Por ser compacta, a novidade pode ser instalada em qualquer carro, de um top de linha a um compacto, com enfoque especial nos elétricos. Sem falar que os atuadores ficam sob as superfícies, o que permitirá maior criatividade aos designers de interior.

“Na era de veículos elétricos, fabricantes automotivos estão procurando soluções inovadoras para reduzir drasticamente o peso de seus carros e ganhar espaço para passageiros e novas tecnologias”, afirma Johann Hiebl, chefe de Infotainment e Conectividade da Continental.

“Por outro lado, a qualidade de som e design não sofrerá. Nosso enfoque é tratar o carro como um instrumento em si. Usamos atuadores compactos para atuar sobre superfícies e gerar um som 3D natural”, explica o especialista. Para tal, a Continental contou com a experiência colhida nas pesquisas de nível de ruídos, aspereza e vibrações, o popular NVH (Noise, Vibration e Harshness) tão trabalhado pelos fabricantes e fornecedores para dar um rodar mais confortável possível aos novos carros.

Como funciona a tecnologia?

O princípio é comparado ao de um violino pelo fabricante, dê uma olhada no vídeo abaixo. As cordas e o arco são os transdutores e a ponte que liga os elementos transmite as ondas sonoras para o corpo do instrumento, que repercute o som para o ambiente.

Os atuadores têm núcleo parecidos com os de um alto-falante comum, com uma bobina magnética capaz de girar micro-vibrações. Contudo, ao contrário da membrana de um alto-falante, a peça transmite aos painéis do carro a vibração, que é irradiada a partir daí. O mesmo efeito é garantido graças ao posicionamento inteligente dos atuadores. Os pilares A (colunas do para-brisa) são perfeitos para alta frequências, os painéis de porta são mais adequados para as médias frequências, enquanto o teto e a traseira conduzem melhor as frequências baixas. Eles usam até as costas dos bancos dianteiros para dar uma envolvência sonora aos que vão atrás.

“Contudo, o maior benefício é a qualidade do som. Até experts já avisados nos deram as maiores notas pela acústica do nosso sistema”, elogia Dimitrios Patsouras, diretor da área de Ruído, Vibração e Aspereza na engenharia da Continental. De acordo com o fornecedor, é possível comparar um sistema sem alto-falantes convencionais a outro premium de 20 alto-falantes sem prejuízo.

 

 

Fonte: Autoesporte