Publicidade
Ícone
Conheça o Rolls-Royce que transportou Bolsonaro e é usado por presidentes
O automóvel conversível Rolls-Royce que transportou o presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle Bolsonaro tem 66 anos
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Quase setentão, o Rolls-Royce passa por manutenção regular, de uma a duas vezes por ano

O automóvel conversível Rolls-Royce que transportou o presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle Bolsonaro na cerimônia de posse neste 1º de janeiro tem 66 anos e acompanha os chefes-de-Estado brasileiros desde a década de 1950.

De modelo Silver Wraith, o Rolls-Royce foi fabricado em 1952, na Inglaterra, e transportado por navio de Londres para o Rio de Janeiro, então capital brasileira, no ano seguinte. Desde então, pertence à Presidência da República e já conduziu todos os presidentes do Brasil, em diferentes ocasiões.

Foi usado pela primeira vez durante o segundo governo de Getúlio Vargas, em 1953, durante as comemorações do Dia do Trabalho, em 1º de maio, em Volta Redonda (RJ).

A partir de então, passou a ser tradicionalmente usado nas cerimônias de posse presidencial. A primeira vez que isso ocorreu foi com Juscelino Kubitschek, em 1956, ainda no Rio de Janeiro. Outros presidentes transportados pelo automóvel foram Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Além disso, o Rolls-Royce frequentemente conduz o presidente no desfile de 7 de setembro.

Há uma lenda de que o automóvel havia sido um presente da rainha Elizabeth 2ª, da Inglaterra, para o governo brasileiro. Porém, o escritor e historiador Lira Neto afirma na trilogia Getúlio que o Rolls-Royce foi encomendado pelo próprio Palácio do Planalto.

O veículo também já conduziu presidentes e personalidades estrangeiros como a rainha Elizabeth 2ª, o ex-presidente francês Charles De Gaulle, e o astronauta russo Iuri Gagarin.

O uso do Rolls-Royce na posse de Bolsonaro era dúvida até momentos antes do desfile. No círculo próximo do presidente, havia quem temesse que o carro aberto oferecesse riscos a sua segurança. “Por mim, [Bolsonaro] seria [transportado pela Esplanada] no papamóvel, entendeu?”, disse o ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, entrevista ao G1 em 10 de dezembro.

Fonte: Terra

Publicidade
Publicidade